Seguidores

Loading...

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

DEBRUÇADO NA JANELA


Do Google.


Debruçado na janela
Assisto o tempo passar.
Vejo a moça cravo e canela,
A faceira faz-me olhar.

Ela passa toda garbosa,
Parece  querer anunciar,
Momento de boa prosa,
Para o menino suspirar.

A tarde vai se findando,
O arrebol anuncia ocultar,
Sempre de olho fitando,
Aquela graça beira-mar.

Senta no banco da avenida.
Passa a mão no cabelo, faz charme.
Inspira confiança e forte fibra,
Belo caminho prá se andar.

O moço passa e admira
Aquele ser monumental.
Faz gesto e atira,
Um beijo longo memorial.

De repente aparece,
Varão alto orgulhoso.
O coração dela se aquece,
É o seu caso amoroso.

De mãos dadas se vão.
Como um poeta a cantar.
Abraçam-se... Beijam-se, se dão...
Sob a luz serena do luar.

3 comentários:

Sônia Silvino disse...

E como é gostoso dar uma espiadinha na janela... rsrsrs
Beijos e ótimo final de semana!

Chica disse...

Uma janela que dá muita inspiração.Lindo!abração,obrigado,chica

Anne Lieri disse...

Tunin,que belo poema de amor!Ficou linda essa sua visão da janela!Bjs,