Seguidores

Loading...

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

PASSAGEM ON-LINE (verídica)


O caipira foi à rodoviária,
Reservar passagem prá seu lugar.
Chegou ao guichê falou à moça:
Guarde uma pra “Potiragar”.

Ela toda fidalga,
Respondeu sem vacilar,
“Tio”, passagem agora é on-line,
Eu não posso reservar.
Alguém pode comprar,
Num guichê d’outro lugar,
E o “tio”, sem poltrona, pode ficar.

Ele sem nada entender,
Da tal da modernidade,
Retrucou sem contender,
Eu “num” quero ir pra olaine.
Veja a minha idade?!
Preciso viajar pra minha “Potiragar.”

Esse povo “muderno”,
“Num” sabe atender “veio.”
Pensa que “veio” é bobo,
E pode fazê dele peteca,
Mas ela não me faz de tolo.
Porque tola ela é,
Mesmo sendo uma menina,
Com linda cara de “buneca.”.

Vou me “arretirar.”
Em outra empresa vou passar,
Pra minha passagem guardar,
Porém para essa tal de olaine,
É que não vou embarcar.
Tenho de ver minha “veia,”
Que está a me esperar,
Sentada no banco da praça,
Da minha simples “Potiragar.”


Tunin

8 comentários:

✿ chica disse...

Coitado do matuto,rs..Adorei e deve mesmo acontecer muitas dessas! abração praianos, tudo de bom,chica

Luiz Cidreira disse...

"Cumpade" tu és um caboco de fe, pois, a muito não lia um poema com linguagem matuta e com a modernidade engrenada.
Valeu!
Abraço

Dorli disse...

Oi Tunin

kkkkkkkk. Adoro!
Ieu nasci nu intelior, mas num sô boba não, qui veio quessa poesia matuta só pra mi cutucar.kkk
Beijos
Lua Singular

Célia Rangel disse...

Excelente momento de descontração com sua poesia... Adorei!
Abraço.

Anne Lieri disse...

Que poesia divertida! E ele está muito certo em não aceitar passagem pra esse tal de online...rss...Adorei! bjs,

SOL da Esteva disse...

Este "tratado" está a "virar" moda. As empresas dão toda a assistência por... Mail, mas mantêm abertos pontos de assistência que não servem para nada.
Seria mais útil a não adesão ao mundo virtual quando não se dispõem a prestar APOENAS un serviço de sua responsabilidade.
Oportuno este teu Poema de intervenção.


Abraços


SOL

Célia Rangel disse...

Olá Tunin, agradecendo-lhe a gentileza da presença e comentário em "Prosas Poéticas"!
Abraço,
Célia.

Dorli disse...

Oi Tunin
Pior que os filhos não seguem conselhos dos pai e quando a água bate... choram no ombro dos pais.
Sabe de quem é a culpa.
Eu apanhei tanto na vida à toa,minha tia só podia ser doente, mas virei gente, só quanto o amor sempre estou de olho.kkk
Beijos
Lua Singular